segunda-feira, março 24, 2008

A Tuberculose na criança e no jovem (parte I)

Comemora-se hoje o Dia Mundial de Luta Contra a Tuberculose.

Actualmente ainda morrem mais pessoas (incluindo crianças e jovens) vítimas de tuberculose (tuberculose multiresistente), em todo o mundo, do que por outra qualquer doença infecciosa.

A tuberculose (TB) mata aproximadamente dois milhões de pessoas por ano, 98% das quais em países em desenvolvimento.

A Organização Mundial de Saúde estimou a presença de 8 milhões de novos casos de tuberculose activa no mundo somente no ano de 1990, com aproximadamente 2,6 milhões de mortes.

Com o surgimento do Síndrome da Imunodeficiência Humana (SIDA) no início da década de 80, o número de casos da doença aumentou bastante.

A tuberculose é mais comum nas áreas do mundo onde há muita pobreza, promiscuidade, desnutrição, más condições de higiene, incluindo uma saúde pública deficitária.
Os países com maior incidência nesta doença são a Índia, a China, a Indonésia, o Bangladesh, a Nigéria, o Paquistão, as Filipinas, o Congo, a Rússia e o Brasil.


Nesta linha de pensamento não é difícil de concluir que aproximadamente um terço da população mundial encontra-se infectada pelo bacilo da tuberculose (bacilo de Koch).

Em condições favoráveis - contacto provável com adultos tuberculosos, apenas com o bacilo de Koch no pulmão e que sejam bacilíferos, isto é, que eliminem o bacilo no ar, através da tosse, espirro ou fala; quem tem tuberculose noutras partes do corpo não transmite a doença a ninguém porque não elimina o bacilo de Koch através da tosse; os doentes com tuberculose que já estão a ser tratados não oferecem perigo de contágio porque a partir do início do tratamento este risco vai diminuindo dia após dia, tendo em atenção que 15 dias depois de iniciado o tratamento, é provável que o doente já não elimine os bacilos de Koch - a TB afecta 40% dos lactentes, 25% de crianças entre 1-5 anos, 15% dos jovens numa população aproximada de 10% de adultos:

Apesar das dimensões que atinge, esta pandemia foi durante muito tempo esquecida pelas entidades competentes em todo o mundo. Em 1990, o fluxo total da ajuda externa para esta doença diminuiu para uns escassos 16 milhões de dólares por ano.

Este facto levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar a tuberculose como uma emergência mundial. Feita há 18 anos atrás, esta declaração foi a primeira do género na história da OMS, tendo gerado um efeito positivo em várias áreas de actuação e junto de várias instituições e financiadores internacionais.

Cerca de dez milhões de tuberculosos completaram com sucesso o tratamento ao abrigo da estratégia DOTS (Directly Observed Therapy Short-Course), uma das mais bem sucedidas iniciativas de saúde pública com baixos custos alguma vez implementada a nível mundial. Esta estratégia não só salvou muitas vidas como reduziu activamente a propagação da infecção.

O número de países que adoptaram e implementaram a estratégia DOTS (Portugal é um deles) atinge já mais de uma centena e meia, cobrindo mais de 60% da população mundial.

A TB na população infantil e juvenil tem preocupado entidades nacionais e internacionais a nível da prevenção na saúde, não só do ponto de vista individual, assim como pela morbidade e sofrimento humano que acarreta e também sob o aspecto colectivo, pois se houver aumento da incidência na infância, significa que as medidas de controle implementadas não são as mais adequadas.

Em Portugal, assistiu-se a uma redução acentuada (cerca de 14%) do nível endémico da tuberculose, directamente associada à melhoria dos índices de desempenho do Plano Nacional de Luta Contra a Tuberculose (PNT), com uma evidente redução da prevalência da resistência aos antibióticos específicos.

Contudo, a situação é menos favorável nas grandes áreas urbanas de Lisboa, Porto e Setúbal, onde se concentra a maior parte dos casos registados no país e onde o ritmo de declínio é mais lento. Nestas áreas, incidem com particular intensidade os mais determinantes factores de risco, com consequente impacto negativo no sucesso terapêutico e no aumento da resistência aos fármacos (TB multiresistente) .

Em relação à União Europeia, Portugal é um dos países com maior incidência de casos notificados e com maior expressão dos aspectos que lhe conferem o carácter de infecção emergente.

Faz todo o sentido alertar para a necessidade de salvaguardar e manter a operacionalidade dos serviços dedicados à tuberculose, de forma a enfrentar a doença com sucesso. Os quatro principais desafios implementados pelo Plano Nacional de Luta Contra a Tuberculose foram:

  • A implementação da estratégia global DOTS;
  • A implementação dos tratamentos personalizados (estratégia DOTS-plus);
  • A intervenção activa na comunidade para cura e detecção de novos casos;
  • e o Plano de intervenção na co-infecção TB/VIH.

Em Portugal, dos serviços dedicados ao tratamento e prevenção da tuberculose, destacam-se os Centros de Diagnóstico Pneumológico.

O que é então a Tuberculose (TB)?

É pois uma infecção causada por um microorganismo chamado Mycobacterium tuberculosis, também conhecido por bacilo de Koch.
A doença costuma afectar os pulmões mas pode, também, ocorrer em outros órgãos do corpo, como os gânglios, os rins, os ossos, os intestinos e as meninges. mesmo sem causar danos a nível pulmonar.

Quais são os sintomas mais comuns?

São essencialmente:

-Tosse persistente, crónica;
-Febre;
-Existência e persistência de suores nocturnos (dos que ensopam o lençol);
-Dores no tórax;
-Perda de peso, lenta e progressivamente;
-Falta de apetite, anorexia, apatia completa para com quase tudo o que está à volta.

Como se transmite a TB?

A transmissão do micróbio da tuberculose processa-se pelo ar, através da respiração, que o faz penetrar no nosso organismo. Quando um doente com tuberculose tosse, fala ou espirra, espalha no ar pequenas gotas que contêm o bacilo de Koch. Uma pessoa saudável que respire o ar de determinado ambiente onde permaneceu um tuberculoso pode infectar-se

Note-se que um espirro de um doente com tuberculose projecta no ar cerca de dois milhões de bacilos. Através da tosse, cerca de 3,5 mil partículas são igualmente projectadas para a atmosfera.

Prevenir é o melhor remédio?

A prevenção é a arma mais poderosa e genericamente usada em todo o mundo.
É feita através da vacina BCG (Bacilo de Calmette e Guérin), que é aplicada nos primeiros 30 dias de vida e capaz de proteger contra as formas mais graves de tuberculose. É, por isso, obrigatória e tomada por milhões de crianças em todo o mundo.

Os doentes com TB devem tratar-se o mais breve possível para que o contágio não prolifere, e as famílias devem estar alertadas para que as crianças e jovens não respirem em ambientes saturados, pouco arejados e pouco limpos.

Bibliografia:


Direcção-Geral da Saúde
Programa Nacional de Luta Contra a Tuberculose
Doenças Transmissíveis
Centers for Disease Control and Prevention – Division of Tuberculosis Elimination -Disponível em Inglês.
Organização Mundial de Saúde – Europa – Centralized Information System for Infectious Diseases – CISIS – Disponível em Inglês, Francês e Alemão.

Stop TB Partnership – Disponível em Inglês.

EuroTB – Surveillance of tuberculosis in Europe– Disponível em Inglês.

29 Comments:

At 9:49 da tarde, Anonymous mando said...

Está aqui um artigo muito interessante, e como futuro profissional de saúde (Enfermeiro) adorei, obrigado pela formação!

abraço...do mando...

 
At 7:39 da tarde, Blogger susana said...

Boa pesquisa linda, parabéns. É sempre bom saber estas coisas que por vezes afectam as melhores coisas do mundo - as crianças

 
At 8:06 da tarde, Anonymous joana santos said...

Olá Rosa, mais um excelente trabalho.
Nunca pensei que houvesse tanta criança com tuberculose....é mesmo para pensar! Bjinhos,
Joana Santos.

 
At 11:35 da manhã, Anonymous Miguel Moreira said...

Oi Rosa, gostei deste post.
Muito interessante e quem segue os links fica com uma perspectiva mais alargada do que é a tuberculose e do que se tem feito para combatê-la.
Gostei mesmo". Bjinhos, Miguel.

 
At 5:22 da tarde, Anonymous margarida pereira said...

Olá Rosa, uma excelente pesquisa e um excelente trabalho. Adorei.
Um abraço muito grande, M.P.

 
At 7:17 da tarde, Blogger Luis F said...

Rosa,

Excelente e devinal texto, de informação. Um trabalho fabuloso que deve ser lido por todos.

Parabens

Bjs
Luis

 
At 2:03 da manhã, Blogger Bel said...

O que se aprende por aqui com a Rosita.

Beijinhos cidadã do mundo

Simplesmente Bel

 
At 6:21 da tarde, Blogger Isabel-F. said...

Muito interessante e elucidativo o te artigo.

gostei de o ler...


não tinha noção que a tuberculose ainda fosse a causa de tantas mortes ... os números são assustadores.

beijinhos

 
At 9:24 da tarde, Blogger Maria da Luz said...

Gostei, parabéns

 
At 7:56 da tarde, Blogger Dreamaster said...

Epá gostei muito do que li menina. Muito interessante e bastante esclarecedor. Alias, como todos os assuntos aki retratados :)

Bjs
D.

 
At 9:36 da tarde, Anonymous joão mendonza said...

Um excelente artigo, com boa pesquisa e muito interessante!

 
At 8:09 da tarde, Blogger No Túnel... said...

Excelente artigo; para mim bastante util; sucinto e esclarecedor

Parabèns

bom fim de semana

 
At 12:15 da tarde, Anonymous S.M. said...

Oi Rosa, tudo bem?
Um grande abraço, São.

 
At 12:16 da tarde, Blogger Vera Carvalho said...

O Blog Cogitare em Enfermagem encerra hoje portas e abre um novo capitulo, ou seja um NOVO Blog que o convido a ver, comentar e participar.

Neste novo espaço teremos agora uma nova rubrica que será assegurada por comentadores externos que iremos convidar para que assegurem a sua opinião sobre determinados assuntos que todos queremos ver esclarecidos.

Em destaque Temos o artigo de Opinião da autoria da Enfermeira Lucília Nunes, sendo já certo que mais e de diversos autores se seguirão preferencialmente um por mês, no entanto se assim for possível ou necessário, colocaremos mais artigos de forma mais frequente.

Estendemos a passadeira Vermelha para que nos possam visitar no novo Espaço agora criado e cujo nome será:COGITARE EM SAUDE.

Pediamos era para actualizar o Link para o novo blog.

Abraços e bom fim de semana.

Ps: Parabéns pelo artigo pertinente e actual, ao melhor nível.

 
At 11:33 da tarde, Anonymous A.R. said...

Olá Rosa, um tema interessante e bem trabalhado...mas da Rosa já sei o que vem, qualidade na formação, ligada à aplicabilidade de uma maneira de trabalhar sempre em prol da educação, uma das suas paixões, senão a maior.
Bjinhos, A.R.

 
At 8:05 da tarde, Blogger Dreamaster said...

Bem menina, espero q esteja tudo bem contigo.

Desejo-te uma boa semana :)


Bjs
D.

 
At 8:28 da tarde, Blogger Lusófona said...

Olá Rosa!! Hoje vim terminar de ler esse belo artigo!! ;)

Parabéns pelo trabalho!!

Beijinhos e uma linda semana

 
At 10:03 da tarde, Blogger Dreamlu said...

olá!Passei pra avisar que o Criancices foi um dos blogs escolhidos por mim para a campanha da amizade. Passe no meu blog e leia o depoimento ok? beijinhos e parabéns!

 
At 11:58 da tarde, Blogger Sandrinha_mpp said...

olá !Passei pra avisar que seu blog foi um dos blogs escolhidos por mim para a campanha da amizade. Passe no meu blog e leia o depoimento ok? beijinhos e parabéns!

http://sandrinhaeospequeninos.blogspot.com/

 
At 5:27 da tarde, Blogger Dreamlu said...

Olá!Sou eu mais uma vez...como gosto muito do seu blog, não pude deixar de nomeá-lo uma vez mais...por isso está na minha lista para receber um selo especial!Visite o meu blog para ver...bjs***

 
At 9:47 da tarde, Anonymous Mando said...

R.S. só para lhe perguntar para quando a segunda parte deste post faboloso?...

Abraço!

 
At 12:22 da manhã, Anonymous Lifepassenger said...

Rosa Excelente artigo, para quando a Segunda Parte ?

Pedia-te só para alterares nos teus Links o nosso novo endereço! Obrigado pela Visita !

 
At 11:57 da manhã, Anonymous Ser Prematuro said...

Olá!
Gostei muito deste artigo.

 
At 9:41 da tarde, Blogger Dreamaster said...

Bom fim de semana D.Rosa :)

Bjs
D.

 
At 1:21 da tarde, Blogger Mélica said...

Oi Rosa!
Realmente parabéns pelo post, super informativo!;)
Que tenhas um ótimo final de semana.. beijos!

 
At 6:19 da manhã, Blogger Denise Carceroni said...

Excelente informação. Parabéns!

 
At 1:25 da tarde, Blogger António said...

Olá, Rosa!
Mais um excelente trabalho de cariz científico.
Felizmente que em Portugal, depois da mortandade causada pela tísica, salvo erro no início do século passado, que o Estado (honra seja ao Estado Novo) quasi irradicou a doença.
Fico a aguardar a conclusão e, porque não, um trabalho sobre essa pandemia do tempo dos meus avós.

Beijinhos

 
At 4:06 da tarde, Blogger Educando com amor said...

Passando pra dizer q sempre dou uma olhadinha no seu blog!
Eu aprovo!

 
At 4:06 da tarde, Blogger Educando com amor said...

Passando pra dizer q sempre dou uma olhadinha no seu blog!
Eu aprovo!

 

Enviar um comentário

<< Home