domingo, junho 14, 2009

Crianças "esquecidas" ou "transparentes" - Parte I


Cada vez mais, por vários factores, entre os quais se contam a pobreza, os problemas financeiros, as questões de saúde ou a questão de "pais" que não sentem a capacidade natural para assumir essa tarefa, a complexidade das famílias destruturadas, existem crianças ou jovens que vivem à margem dos outros, que são reconhecidas como "esquecidas", tanto a nivel físico, social, psicológico ou emocional (incluindo aqui os afectos).

Acontece com muitos meninos e jovens, filhos de pais alcoólicos e toxicodependentes, os quais são maltratados físicamente (na maioria, existem relatos de espancamentos e abuso sexual) e psicologicamente e são retirados aos mesmos pela segurança social e colocados em determinadas instituições, onde ficam, muitas das vezes, ao "abandono".
As "famílias" nunca lá os vão visitar e eles crescem assim num meio onde raramente são acarinhados e são maltratados como se estivessem praticamente a viver no meio de onde vieram.


Algumas dessas crianças em risco ou jovens acabam por ir viver com os seus avós (nem sempre a melhor opção, porque podem não ser os mais indicados para ficarem com eles, pela grande distância e/ou descripância entre valores que cada geração vai defendendo ou por ficarem longe os seus pares, no caso dos jovens) ou em alguma instituição aconselhada (de acolhimento breve ou permanente, como a Casa Pia) ou de ocasião (que podem não reunir as condições exigidas por lei e consequentemente adequadas) e/ou ainda nalguma família de acolhimento.


" O número de crianças, sobretudo bebés, que aguardam alta social nos serviços hospitalares tem vindo a aumentar, noticia o Expresso.
Apesar de as crianças já se encontrarem bem do ponto de vista clínico, alguns dos pais biológicos carecem de condições para os receber, pelos que têm de aguardar por uma instituição ou família de acolhimento.

Algumas das crianças ou jovens, que passam por essas instituições, sofrem emocionalmente essas vivências e, muitas vezes, fisicamente, (por maus tratos , essencialmente pelos mais velhos) o que se vem reflectir no seu comportamento posterior na escola ou na família de acolhimento (comportamento anti-social, manifestado por agressividade dirigida a si próprio - autoagressividade ou a quem está por perto - heteroagressividade).


Na realidade, na maioria das vezes, não conseguem estabelecer relações de vínculo afectuoso com quem delas cuida ou então sofrem várias tentativas de relacionamento, que se vão tornando superficiais, à medida que o tempo decorre, são "relações de passagem" e frustantes para a referida criança ou jovem, que necessitam de ter alguém, de preferência um adulto como a sua referência.

Nas instituições, as crianças que têm pais não podem ser adoptadas sem eles darem autorização, o que raramente acontece, e assim as crianças ou jovens por ali vão ficando até serem maiores de idade.

Outras são abandonadas pelos pais e vivem uma vida na esperança de serem adoptados para terem aquilo que nunca tiveram… Afecto!

Em algumas instituições, seria óptimo que se garantisse que as crianças ou jovens que vivem nelas, usufruíssem de um pouco de carinho e conforto por pessoal especializado e não por pessoal que parece que está ali a fazer um favor, sem terem em conta as reais necessidades das crianças que estão sob os seus cuidados.
Um pouco de carinho não custa nada e faz toda a diferença para todas as crianças e jovens que ali estão sem terem culpa daquilo que lhes aconteceu.
O afecto faz falta a todas as crianças para poderem crescer e serem pessoas adultas com vidas normais…

http://www.key21.pt/images/kenya1.jpg

Cabo Verde tem um número crescente de crianças abandonadas, assistindo ao mesmo tempo a um novo fenómeno de "mães invisíveis", alerta a presidente do Instituto Cabo-verdiano da Criança e do Adolescente (ICCA). Em entrevista à Agência Lusa, Marilena Baessa explica que recentemente se começaram a detectar casos de mulheres que chegam à maternidade, dão um nome falso, e depois do parto desaparecem, abandonando as crianças.

R.S.

24 Comments:

At 2:42 da tarde, Anonymous j.j. said...

Mais um excelente trabalho, derivado de uma excelente reflexão. Gostei!
Um grande abraço, J.J.

 
At 6:15 da tarde, Blogger Enfermeiro said...

Excelente texto... Da que pensar.

beijinho e Boa semana colega

 
At 10:13 da tarde, Anonymous Anónimo said...

"Uma em cada cinco crianças portuguesas está exposta ao risco de pobreza, o que faz de Portugal o País da União Europeia, a seguir à Polónia, onde as crianças são mais pobres ou correm maior risco de cair nessa situação.
O retrato negro consta do relatório conjunto sobre a protecção social e inclusão que é hoje apresentado em Bruxelas (Bélgica) e que deverá ser adoptado no dia 29 pelo Conselho de Ministros do Emprego e Segurança. O mesmo relatório permite concluir que a situação portuguesa nesta matéria não só piorou em termos absolutos face ao último balanço realizado sobre a matéria em 2005 ( referente a rendimentos apurados em 2004) como também ficou mais isolada em termos comparativos.

Portugal em penúltimo

No balanço anterior, o nível de exposição à pobreza infantil em Portugal estava em 20% e alinhava com países como a Espanha, Irlanda e a Grécia, estando, ainda assim, abaixo dos níveis registados na Lituânia e na Polónia. Agora, de acordo com dados do novo relatório, o risco de pobreza infantil só é pior na Polónia, e já superou o patamar de 20%.

Uma situação que está relacionada com a escalada do desemprego em Portugal. Enquanto em 2004, Portugal ainda apresentava das taxas de desemprego mais baixas de toda a União Europeia, nos últimos anos, a situação inverteu-se.

Baixos salários

O desemprego não é, no entanto, o único factor a explicar o crescimento do risco de exposição infantil à pobreza, que remete também para o baixo nível salarial praticado em Portugal, para a crescente precariedade do emprego ou para níveis mais baixos de transferências sociais.

Mesmo assim, relativamente ao risco para as crianças, há outros países que partilham com Portugal níveis relativamente altos de pobreza, como sejam a Espanha, Grécia, Itália, Letónia, Lituânia, Luxemburgo e Polónia.

"É uma situação que tem de ser superada, porque afecta direitos básicos de cidadania", afirma Armando Leandro. O presidente da Comissão Nacional de Protecção de Crianças em Perigo diz mesmo que "o combate à pobreza deve ser um desígnio nacional" e que existem já iniciativas para a combater. O responsável separa a situação da pobreza do risco para a criança, mas refere que há perigos, como "menor disponibilidade dos pais ou menor escolarização"

Os estudos realizados sobre a pobreza coincidem na conclusão de que os riscos de pobreza aumentam nas famílias com crianças e idosos, mas também, e sobretudo, nas famílias monoparentais.

Deficiente alimentação

A situação de desestruturação familiar é apontada pela presidente do Banco Alimentar, para explicar "o agravamento das condições de vida" de muitas famílias. "Muitas crianças apenas se alimentam com o que lhes é servido nas instituições de solidariedade social, nem sequer tomam pequeno-almoço em casa", disse Isabel Jonet. Acrescentando que "quando vão de férias regressam mais magras".

O abandono escolar é outro factor incontornável para medir o risco de exposição infantil à pobreza, sabendo--se que os desníveis nas qualificações são a causa fulcral das desigualdades sociais. A este respeito, Portugal também está numa posição preocupante: a percentagem de jovens até os 24 anos com baixa educação secundária era de 39% em 2006 (ano lectivo de 2004-2005), a segunda pior de toda a União Europeia, a seguir a Malta. A taxa de abandono escolar baixou entretanto para valores da ordem dos 35%, mas, ainda assim, Portugal continua, neste campo, na cauda da União Europeia".

com RUTE ARAÚJO e LUSA
Fev. de 2008

 
At 10:15 da tarde, Anonymous tessa said...

O anónimo anterior sou eu:

Tessa, não sei porque razão não aceitou o meu nome!

Bjinhos, Rosa

 
At 4:36 da manhã, Anonymous Rosário Coelho said...

Mais um excelente post!
O pior é quando são esquecidas e transparentes simultaneamente.....
Bj, RC

 
At 11:17 da tarde, Blogger Luz said...

Infelizmente é verdade e na escola onde trabalho os "casos" são mais que muitos. Eu bem grito aos 4 ventos, bem aciono a Comissão de protecção de Menores, bem que tento mudar a Má corrente da vida destas crianças, mas não consigo. sinto-me como o D Quixote a lutar contra moinhos de vento. Será que neste país os responsáveis por estes casos andam todos adormecidos...
Querem relatórios e mais relatórios e resolver os problemas das crianças nada. acho que vivemos num país govrnado e alimentado por relatórios...
Ainda bem que há alguem que fala.
Luz

 
At 10:39 da manhã, Anonymous Vera Carvalho said...

O desemprego é um dos factores, sem dúvida, mas não explica tudo.

A falta de tempo, a falta de disponibilidade para que se brinque com as crianças é hoje em dia aterradora.

Bom texto e boa chamada de atenção, mais uma vez ;) .

Rosa não aparece a barra lateral do blog, algum bug?

 
At 8:03 da tarde, Anonymous miguel said...

Pois cada vez se assiste a mais casos de crianças abandonadas em todos os sentidos!
Espero pela 2ª PARTE.....
Bjs, Miguel

 
At 1:04 da tarde, Blogger Peter and Samy said...

é horrivel haverem crianças, que nunca chegaram a conhecer a palvra familia e casa...

 
At 2:39 da tarde, Anonymous Lena Correia said...

"Agentes da polícia local de Gijón, Espanha, entraram no apartamento pela janela e resgataram duas crianças, uma de cinco anos e outra de 11 meses, que se encontravam numa situação de abandono. Duas horas mais tarde a polícia procedeu à detenção da mãe de 23 anos, refere o el periódico.com.

A chamada de socorro foi realizada por vários vizinhos da mesma rua. Aquando da chegada dos agentes, os moradores explicaram que esta não era a primeira vez que esta situação acontecia.

Do exterior do apartamento eram audíveis os choros das crianças que chamavam pela mãe. Os agentes, com a ajuda dos bombeiros, acederam ao interior da casa onde encontraram os meninos completamente abandonados sem roupa e no caso do bebé com uma fralda toda suja.

A casa estava toda suja cheia de lixo, com excrementos de um gato e de um cão, porcelanas partidas e cabos de electricidade expostos. As crianças ficaram a cargo da polícia local e mais tarde entregues a um centro de acolhimento".

 
At 6:09 da tarde, Blogger O Profeta said...

Ao meu querer!
Dias noites, estações esquecidas
Inventei sonhos para sonhar
Lavei mágoas, dores perdidas

Uma árvore toca as águas da lagoa
O nevoeiro faz desenhos nas cumeeiras
Um Melro negro solta um pio ao acaso
A palavra quero-te diz-se de mil maneiras


Convido-te a ver a Cor da Claridade


Doce beijo

 
At 10:10 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

J.J. Obrigado pelos comentários e pela visita. Volta sempre!
Um abraço, RS.

 
At 10:11 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Uma boa reflexão é o que se pretende.
Boa semana, colega André.
Bjinho, RS.

 
At 10:11 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Tessa, obrigada pela vista.
Bjinhos, RS.

 
At 10:12 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Concordo RC, esquecidas e transparentes ainda é pior o cenário....
Bjinhos, RS.

 
At 10:14 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Pois é Luz, somos mesmo como o D Quixote a lutar contra moinhos de vento, quem trabalha com crianças sabe que assim é.
Obrigada pela visita.
Abraço, RS.

 
At 10:15 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Obrigada Vera pela visita.
Volte sempre!

 
At 10:16 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

A 2ª parte, Miguel, ainda vai demorar algum tempo...depende da minha disponibilidades que sabes que não é muita...
Bjinhos, RS.

 
At 10:17 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Triste a sina de muitas crianças, Peter and Samy.
Obrigada pela vossa vista!
Voltem sempre!

 
At 10:18 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Lena sê bem vinda e gracias pelo artigo....triste caso, semelhante a muitos...
Bjinhos, RS.

 
At 10:19 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Profeta, irei ver a cor da claridade, com a certeza de ser mais um grande poema teu.
Beijo doce também para ti.

 
At 7:15 da tarde, Blogger Viviane Patrice said...

Sai por ai navegando e vim parar no teu cantinho!
Enchi meus olhos e minha alma de coisas importantes! Parabéns! Passe no meu blog e pegue o selinho:Viviane Patrice aprova aki... bjs

 
At 8:33 da tarde, Blogger Rosa Silvestre said...

Olá Viviane, obrigada pela visita e pelos simpáticos comentários.
Pequei selinho, obrigada mais uma vez!
Bjinhos, RS.

 
At 10:21 da tarde, Blogger efilipe said...

Olá. Este é um post que vale a pena ler com atenção. Ser Criança no nosso país não é só receber doces e brinquedos no natal, nem presentes feitos em EVA. Também é:
- esperar pelo pai que não chega para a vir buscar à escola, horas a fio, porque se esqueceu!
- esperar que decidam quem tomará conta dela!
- esperar que decidam o seu futuro!
- fingir que dorme para o mai bêbado não a espancar, porque lhe apetece...

doiscontigo.blogspot.com

 

Enviar um comentário

<< Home