sábado, março 06, 2010

O Bullying não é uma brincadeira ...... 1

O bullying não é uma brincadeira, é sim um problema muito grave e, por isso mesmo, não se deveriam desdramatizar situações que vão ocorrendo na nossa sociedade - seja nas escolas, seja nos ambientes de trabalho - tão proclamada como uma sociedade do conhecimento e da informação e a formação onde fica, qual o seu lugar nesta sociedade?
Como é que uma sociedade pode sobreviver sem formação, embora tenha conhecimentos e informação?


Por outro lado, com bastante frequência (frequência até demais, serão sinais dos tempos que correm?) , somos alertados para situações de violência que ocorrem, nos infantários, nas escolas, nas instituições universitárias, tendo como vítimas as crianças e os jovens, não esquecendo os próprios professores, educadores ou auxiliares de educação
Por incrível que pareça, este facto também se vem alastrando a outros sectores como o da saúde onde, por vezes, se assiste à chegada de crianças e jovens que foram vítimas de agressão, assim como à chegada de outras que vitimaram alguém e tentam agredir ou agridem mesmo quem está por perto.
Na sociedade, este fenómeno que não é recente, está sendo motivo de preocupação e interesse para os próprios alunos, pais, profissionais da educação e da saúde, e também a comunicação social.

Mas será que a agressividade ajuda a fortalecer o carácter de um jovem?

Parece que não, contudo existe muita gente a tentar "branquear" este fenómeno e a afirmar que a criança "só tem a ganhar, pois estas situações "fazem crescer" no sentido de uma maior socialização: nada mais falso.
Comentário análogo se faz das praxes universitárias, quando estas atingem e extrapolam as paredes das instituições de ensino (onde se deveria formar e ensinar os jovens) pela sua agressividade e humilhação que infringem a quem é a vítima, no momento.
Ou seja, por outras palavras, tenta-se a generalização de situações que nada têm de normalidade, recorrendo ao "branqueamento". E esta situação é tão grave que se transformam, em alguns casos, as vítimas em criminosos e os criminosos em vítimas, alegando que as vítimas apresentavam distúrbios psicológicos que justificavam aquelas situações que de normalidade nada têm.
Contudo esta onda de agressividade e "achincalhamento" está a tornar-se em algo preocupante por causa da sua elevada incidência e porque agrava determinados comportamentos e altera o normal desenvolvimento da vida escolar ou do contexto laboral.
Ultimamente, têm vindo a adquirir uma maior relevância por causa da divulgação atempada e, essencialmente, pela crueldade de alguns episódios recentes, que desencandeiam sentimentos como o medo, a ansiedade e doenças mentais, entre as quais a depressão, podendo levar ao suícidio.

Investigações efectuadas no nosso país referem que a sua incidência vai paulatinamente aumentando. Os primeiros estudos apontavam para uma incidência de 20% e os últimos apontam para um índice muito próximo dos 40% .

http://www.miniweb.com.br/educadores/artigos/imagens/menina.jpg
Neste tipo de comportamentos estão envolvidos: o agressor, o agredido, o grupo dos colegas, a própria instituição (professores, equipas psicopedagógicas e equipas directivas) e as famílias (a do agressor, a do agredido e as associações de pais).
É frequente falar-se internacionalmente em Bullying
.
Mas o que é o Bullying?
Olweus (1991, 1993, 1994) definiu o conceito de bullying afirmando que «um aluno está a ser provocado/vitimado quando ele ou ela está exposto, repetidamente e ao longo do tempo, a acções negativas da parte de uma ou mais pessoas».


http://www.medplan.com.br/site/imagens/geral/img_20090220_174516.jpg


Referimo-nos então a uma alteração do comportamento, que se manifesta entre os estudantes, sendo uma forma comportamental agressiva, intencionada e prejudicial cujos protagonistas são jovens estudantes. Não se trata de um episódio esporádico mas sim persistente, que pode durar semanas, meses ou até anos. A maior parte dos agressores ou bullies agem movidos por uma sensação de abuso do poder e um desejo de intimidar e dominar. Uma característica dominante destas relações é que o aluno, ou grupo, que se manifesta como líder trata de maneira tirânica o companheiro que hostiliza, oprime e atemoriza repetidamente, atormentando-o até ao ponto deste se tornar na sua vítima habitual.


O bullying pode manifestar-se de várias maneiras:

Por Violência física: diversas formas de agressão (empurrões, socos, pontapés, agressões com objectos) e os ataques à propriedade (lápis, mala, cadernos);
Através de Violência verbal: como colocar alcunhas (magrizelas,gorducho) insultar, ridicularizar, responder com maus modos, fazer comentários racistas;
Por Violência psicológica: através de acções dirigidas com a intenção de minar a autoestima da criança ou do jovem e fomentar a sua sensação de insegurança e temor;
Através de Violência social: principalmente na forma de propagação de rumores desqualificantes e humilhantes que pretendem a sua exclusão e isolamento do grupo;
Por Violência indirecta: quando se induz a agressão a um terceiro;
Através de Abusos sexuais: intimidações e vexames;
Por objectos comunicacionais como o telemóvel, o computador (cyberbullying).


http://imgs.sapo.pt/gfx/466009.jpg


O caso do João, ainda recente, que levou a peito a atitude e os sms dos amigos, está na memória de muita gente. Em Fevereiro de 2009 (há aproximandamente 1 ano) suicidou-se. A família aponta esta como a grande causa, apesar da escola rejeitar a ligação.

Estudos longitudinais associam o facto de ter bullying em idade escolar com a possibilidade de inclusão nos fenómenos de mobbing, a maioria das vezes como perseguição laboral.


ver mais ...

14 Comments:

At 5:35 da tarde, Anonymous Joana Santos said...

Excelente post, Rosa.
O CRIANCICES está de volta.
Bjinhos,Joana

 
At 10:04 da tarde, Blogger Maria da Luz Borges said...

Obrigado Rosa, por conseguir publicar o que muitos de nós pensam e que já está na altura de dizer!
Do seu post comento 3 ideias:
-A agressividade nunca é aceitável e não faz crescer. Pelo contrário, apenas diminui, quer seja a vitima quer seja o agressor.
-As familias têm que perceber que educar não é fazer as vontades todas. Educar é amar e amar é ser capaz de ajudar as crianças a ser contrutores da sociedade.
-Já é tempo de se perceber que responsabilizar as crianças e os jovens pelas suas atitudes, de os ajudar a ser disciplinados é a única forma de construir o futuro.
Mais uma vez obrigado
Luz

 
At 9:01 da tarde, Anonymous M.R. said...

Olá Rosinha, gostei do post.
Objectivo e bem fundamentado, lembrando o caso do João (há 1 ano atrás).Bjs. do Miguel.
Excelente dia da mulher para ti.

 
At 10:23 da manhã, Anonymous Kaos Infermático said...

Oi Rosa, um artigo muito interessante. Só é pena que nesta sociedade semi-esquizofrénico não se relatem mais casos, por vergonha ou por medo de represálias .............

 
At 5:25 da tarde, Anonymous helga said...

Excelente post, sem dúvidas.
O bullying, o mobbying e toas as formas de agressividade devem ser deninciadas para que não venham a vítimar mais Leandros.....

Parabéns!

 
At 8:38 da tarde, Blogger Dreamaster said...

Olá D.Rosa.

Bom topico.

Infelizmente as npssas autoridades só reagem depois de acontecer alguma desgraça.

Este fenomeno já não é novo e já se falava na comunicação social do fenomeno lá fora mas tantos os governantes como a maioria dos pais decidiu fechar os olhos pensando q nunca aconteceria nas escolhas portuguesas e muito menos com os nossos filhos.

Acontece a desgraça, passa a ser assunto do dia e logo aparecem muitos pais a queixar-se q afinal os filhos deles tb já sofreram do mesmo mas nunca o disseram antes.

Mais uma vez digo, o q está a acontecer a todos os niveis neste país é grande parte culpa dos portugueses q passam a vida a quixar-se nas ruas mas na hora de agir calam-se.

Apenas pergunto: Até Quando ?


Boa semana menina :)

Bejitos
D.

 
At 1:51 da tarde, Blogger VANUZA PANTALEÃO said...

Criancices também são sérias. Eu e meu filho passamos por isso na escola, éramos tímidos. Superamos. Mas quantos não sucumbem?
Parabéns pelo post!
Bom domingo!Bjs

 
At 5:30 da tarde, Blogger Helena Teixeira said...

Eu também passei por bullying quando fui para uma escola portuguesa no norte.Era tímida,fiquei com medo,era bullying psicológico,com ameaças...graças a deus,nao houve físicas,nem sei se chegaria a haver,pois meses depois por via do destino,mudei de cidade e de escola.Senão,teria de fazer queixa e com 12 anos,fazer queixa pode também significar mais bullying...
Muito Bom post!

Abraço
Lena

Aproveito e deixo um convite: participe na Blogagem de Abril do blogue www.aldeiadaminhavida.blogspot.com. O tema é: “Páscoa na minha Aldeia”. Basta enviar um texto máximo 25 linhas e 1 foto para aminhaldeia@sapo.pt (+ título e link do respectivo blog) até dia 8 de Abril. Participe. Haverá boa convivência e possíveis prémios (veja mais dia 29/03 no blog da Aldeia)!

 
At 8:07 da tarde, Anonymous L.G. said...

Bullying é mais grave do que se pensa, tanto pelas repercussões físicas como pelas repercussões psicológicas. Tentar branquear estas situações é ser conivente com elas. Belo post. Parabéns pelo blog!

 
At 2:33 da manhã, Blogger Dr. Marcelo Meirelles said...

Boa noite! Sou médico pediatra e hebiatra no Brasil! Muito legal essa postagem sobre bullying! Na semana passada publiquei algo sobre o assunto em meu blog, e é bom saber que outras pessoas também se preocupam com o tema, tão frequente na nossa sociedade atualmente.

 
At 11:12 da tarde, Blogger Luís Sérgio said...

Excelente post.
parabéns pelo blog.

Luís Sérgio

 
At 2:32 da tarde, Anonymous G.L. said...

Prof.ª Rosa: Aguardamos pela 2.ª parte!
Abraços e bjinhos do ex-7º CLE.

 
At 10:49 da manhã, Anonymous M.R. said...

Excelente post: objectivo, analítico e sobretudo verdadeiro!
Bjinhos, Miguel.

 
At 11:45 da manhã, Blogger LUANA said...

Sofre bulling na escola!!! Difamação total... A providencia q a escola tomou??? Suspenção de 3 dias p/ as legalzinhas.... 3 DIAS EU PASSO SEM IR NA ESCOLA!!NÃO ADIANTOU NADA!!! ACREDITO Q AS DIREÇÃO DEFERIA ESTUDAR MAIS O ASSUNTO E VÊ A GRAVIDADE!!

 

Enviar um comentário

<< Home