sábado, junho 09, 2007

Educação sexual ou educação dos afectos ? ...

Fiquei a saber através de um blog que foi transmitida numa co-produção dinamarquesa-canadiana na RTP2, um filme de animação para crianças entre os 7 e 11 anos, que abordava o tema da sexualidade, denominado “Então é assim”.
Neste sentido, a RTP2 criou as condições para que os telespectadores (os pais) pudessem decidir se queriam ou não que os seus filhos visualizassem o filme sobre educação sexual para crianças que foi transmitido no dia 1 de Junho. Anteriormente e com esse objectivo teria sido o mesmo transmitido a 31 de Maio pelas 11.30 h, com amplo debate de ideias.
Esta “ante-estreia” destinou-se a dar aos pais a possibilidade de visionar antecipadamente o filme “Então é assim” e a decidirem se a sua informação e linguagem conferiam com o que gostariam de transmitir aos seus filhos na fase de vida em que se encontravam.



O filme constituído por duas partes originou diversas questões e várias opiniões, relacionadas essencialmente com a forma como a informação foi transmitida e com o conteúdo propriamente dito, pois as questões foram abordadas de uma forma muito explícita, na minha opinião, e com uma linguagem pouco transformada.
Se eu tivesse de decidir no papel de mãe e educadora, se passava este filme a uma criança entre os 7 e os 9 anos, seria da opinião que os pais deviam ver o filme com a criança e ir mediando a informação com comentários que a ajudassem a integrar toda aquela informação porque penso que sempre que transmitimos seja o que for a uma criança desta faixa etária devemos fazê-lo de forma a que ela possa entender e integrar os conteúdos apreendidos.
Não devemos deixar de ter em atenção os recursos cognitivos e emocionais da criança, além de que devemos dar espaço à sua fantasia, que usa para poder ajustar a informação àquilo que pode compreender e suportar emocionalmente.

Foi brilhante a forma como foi abordada a questão dos abusos sexuais ao ser
colocada a questão "como é que eu sei se faz bem ou faz mal quando mexem no meu corpo", correspondendo à tónica que foi colocada no sentimento da criança que é tocada. "quando eu te faço festinhas nas costas tu sentes: Sim ou sentes Não? "Se sentes Sim, é porque não tem mal, se sentes Não é porque faz mal".



No entanto, os pais em pleno dia de trabalho não poderão estar disponíveis para este tipo de iniciativas. Assim todas as ajudas serão benvindas, sejam elas dos pais como dos educadores, profissionais de saúde e professores.
Mas o mais importante na educação sexual deveria ser a educação direccionada para os afectos...
Esta é a que me parece que os pais, educadores e professores deveriam investir!
Ou não?...

44 Comments:

At 11:16 da tarde, Blogger Um Poema said...

Excelente este trabalho, Rosa.
Concordo contigo. É que falar para crianças dos 7 aos 10 ou 11 anos, não é o mesmo que falar para adolescentes.
Para ser honesto, pelo que vi no "YouTube", apesar de achar que a apresentação é cuidadosa, eu não deixaria os meus filhos (nessa idade) verem isto sozinhos. Há aqui uma série de questões que sugerem explicações cuidadas. E, a não acontecerem no momento, podem gerar dúvida.

Bom trabalho este teu. Mais um, aliás.

Um abraço

 
At 11:16 da tarde, Anonymous joana santos said...

Olá Rosa, esta temática é ainda tabu para muita gente, incluindo profissionais de saúde, professores, educadores e pais!
Felizmente vai-se abrindo o leque de oportunuades e possibilidades de se falar acerca de problemas ligados à sexualidade: o nascimento do bébe, a gravidez precoce, o abuso seual, etc.
Gostei da maneira como abordaste este tema!
Beijinho grande da amiga Joana!

 
At 11:48 da tarde, Blogger Grilinha said...

Sim...tens toda a razão. Também achei um bocadinho cru...mas entre a informação e o total desconhecimento e tabu, de longe prefiro a primeira. Dão armas para as crianças se poderem defender...e desmistifica a importância da sexualidade. O sexo devia ser visto como algo tão natural...mas por outro lado, acho que deve andar de mãos dadas com afectos.
Temos ainda um bocado a evoulir neste sentido da educação sexual. Bom post. Bjs

 
At 12:52 da manhã, Blogger Lifepassenger said...

Pois é nem de proposito, estivemos em sintonia... Até nos videos colocas-te a 2º parte e eu a 1º Parte..

A linguagem dos afectos hoje não está muito em voga... Hoje devido à pressão dos media, dos colegas parece-me que o Sexo é encarado como quem troca de camisa... Ou seja levianamente...Assim há que alertar, responsabilizar, não só a mulher mas o Homem... Sobretudo nós Homens, até porque os Papeis da sedução já se inverteram, hoje muitas vezes somos nós os assediados...

Esta tematica vem de encontro a uma necessidade que temos que agarrar que é a Saúde Escolar e nela a Educação Sexual...

Beijinhos e até já!

 
At 3:06 da tarde, Anonymous Rodrigo said...

Oi, achei teu blog pelo google tá bem interessante gostei desse post. Quando der dá uma passada pelo meu blog, é sobre camisetas personalizadas, mostra passo a passo como criar uma camiseta personalizada bem maneira. Até mais.

 
At 4:00 da tarde, Blogger Grilinha said...

Tinha reparado, amiga, tinha...mas está dificil é de escolher os 5 blogs com tomates !!!! Mas vamos lá a isto. A ver se tenho um bocadinho para reflectir, eh,eh...Beijinhos

 
At 4:32 da tarde, Anonymous Fátima Samiões said...

Mensagem datada de 05/05/2006

Educação Sexual no papel há 22 anos
Autor: Filomena Silva
3. Educação Sexual no papel há 19 anos (isto, em 2003)
Em Portugal, o primeiro grupo de estudo sobre “Sexualidade e Educação” aparece em 1971 no âmbito da “Reforma de Veiga Simão” e funciona até 1973, produzindo uma actividade no âmbito da educação mista (coeducação). Mais tarde, dez anos após o 25 de Abril, surge o primeiro documento legal publicado sobre Educação Sexual em meio escolar, com a Lei n.º 3/84 sobre Educação Sexual e Planeamento Familiar. “O Estado garante”, deste modo, “o direito à educação sexual, como componente do direito fundamental à educação (...) Os programas escolares incluirão, de acordo com os diferentes níveis de ensino, conhecimentos científicos sobre anatomia, fisiologia, genética e sexualidade humana, devendo contribuir para a superação das discriminações em razão do sexo e da divisão tradicional, de funções entre mulher e homem (...) Será dispensada particular atenção à formação inicial e permanente dos docentes, por forma a dotá-los do conhecimento e da compreensão da problemática da educação sexual, em particular no que diz respeito aos jovens” (DR n.º 71 – I Série de 24.03.84).
A partir desta data, o Estado português tem vindo a enquadrar legislativamente a Educação Sexual, quer ao nível do Ministério da Educação quer do Ministério da Saúde.
Na Lei n.º 46/86 – Lei de Bases do Sistema Educativo, no capítulo VII, no n.º 2 do artigo 47.º (Desenvolvimento curricular), o Ministério da Educação determina que “os planos curriculares do ensino básico incluirão em todos os ciclos e de forma adequada uma área de formação pessoal e social que pode ter como componentes a educação ecológica, a educação do consumidor, a educação familiar, a educação sexual, a prevenção de acidentes, a educação para a saúde, a educação para a participação nas instituições, serviços cívicos e outros do mesmo âmbito” (DR n.º 237 – I Série, de 14.10.86).
Começam nesta altura a surgir as primeiras campanhas de prevenção da SIDA, pelo que a Educação Sexual começa a ser também encarada como meio de prevenir esta mortífera doença sexualmente transmissível, o que realça a sua importância do ponto de vista social.
O Decreto-Lei n.º 286/89, sobre a Organização Curricular, conhecido na comunidade educativa como a Reforma de 1989, no n.º 2 do artigo 7.º, determina a criação da disciplina de Desenvolvimento Pessoal e Social, “onde se concretizam de modo especial as matérias enunciadas no n.º 2 do artigo n.º 47 da Lei de Bases do Sistema Educativo” (DR n.º 198 – I Série de 29.08.1989), das quais faz parte a Educação Sexual, promovendo ainda o seu carácter inter e transdisciplinar.
A Lei n.º 48/90 – Lei de Bases da Saúde, responsabiliza o Estado e “todos os departamentos, especialmente os que actuam nas áreas específicas da segurança e bem-estar social, da educação, do emprego, do desporto, do ambiente, da economia, do sistema fiscal, da habitação e do urbanismo (...), na promoção para a saúde” (DR n.º 195 – I Série de 24.08.90).
Todavia, só através do Decreto-Lei n.º 120/99 (DR n.º 186 – I Série-A de 11.08.99), foram definidos e nomeados os conteúdos da Educação Sexual:
Sexualidade Humana
Anatomia e fisiologia do aparelho reprodutor
SIDA e outras doenças transmitidas por via sexual
Métodos contraceptivos e planeamento familiar
Relações interpessoais
Partilha de responsabilidades e igualdade entre os géneros
O Decreto-Lei n.º 259/2000, de 17 de Outubro, é o que dispomos de mais recente em termos de legislação referente à Educação Sexual e que nos vem afirmar que a aplicação das medidas previstas nesta lei é da competência dos estabelecimentos de ensino e serviços de saúde, podendo estes trabalhar em parceria. Este documento dá relevo a uma abordagem integrada e transversal da Educação Sexual, ao envolvimento de alunos, encarregados de educação e associações e finalmente, à formação de professores.
Neste sentido, o quadro legal e normativo existente legitima a existência da Educação Sexual como componente da educação e incentiva o seu desenvolvimento. Por outro lado, atribui ao Estado e ao Sistema Educativo em geral e às escolas em particular, responsabilidades e deveres a este nível. No quotidiano escolar, define algumas vias de inclusão da Educação Sexual ao nível curricular e extracurricular, apelando assim à articulação com outras instituições e à rentabilização dos recursos dos vários Ministérios. “Aponta, como está disposto na Lei 3/84 e é reforçado no Relatório Interministerial para a elaboração de um Plano de Acção em Educação Sexual e Planeamento Familiar, para um conceito de Educação Sexual que não se restringe aos aspectos biológicos e médicos, uma vez que se lhe associam as vertentes da formação pessoal e social das crianças e jovens.” (E.A.T.E.S., 2000: 22).

Apontamentos fotocopiados do CESSMO, Maria de Fátima Samiões
2007-05-05 (ESSCV).

Um excelente post!Adorei!
Prometo voltar!

 
At 2:06 da tarde, Blogger Nana said...

Não sei se é so eu, mas o video vem sem som ...
Senão, para mim, tanto como mãe que como educadora, acho que se deve proporcionar às crianças meios (suportes) para lhes falar da realidade da sexologia. Cabe aos pais responder às perguntas das crianças, e não de se avançar às duvidas deles. Mas não deixar de responder, senão a imaginação e a "desinformação" que vem dos amiguinhos que não sabem também mais que eles pode trazer confusões e "macaquinhos" na cabeça ...
Acho que se tivesse tido este filme como suporte quando os meus filhos tinham essas idades, o teria visto com eles e comentado com imenso prazer.
Para mim, educação sexual é como educação "tout court", cabe aos pais faze-la sem preconceitos e abertamente.

 
At 8:00 da tarde, Blogger Ana S. said...

Olá Rosa.
Acho que tudo tem de vir a seu tempo e as crianças devem mesmo ser informadas sobre o que é correcto e incorrecto em relação aos "toques".
Com muito amor e carinho tudo pode ser explicado sem causar traumas.
beijos

 
At 9:00 da tarde, Blogger Ana said...

Olá Rosa!

Está fantástico o seu artigo! Gostei muito! Já vi o filme no youtube! É um Máximo! Sim acho que a Educação Sexual não pode ser confundida com mais uma disciplina. Deve ser dada informação às crianças sobre os Afectos, a Sexualidade como manifestação de Amor, o seu corpo, os sentimentos, mas de acordo com as suas necessidades e curiosidades e não de forma obrigatória e igual para todos como se de mais uma disciplina curricular se tratasse, porque não o é. A Sexualidade e os Afectos é muito mais do que uma Educação Sexual que aborda a fisionomia, a fisiologia dos orgãos sexuais.. Muito mais.

...

Obrigada também por passar no meu blog! Será sempre bem vinda! E Parabéns pelo seu! Já agora, pelo que li pareceu-em ser Educadora de Infância.. é mesmo? Eu também estou no 3.ºano do Curso:) Se tudo correr bem falta pouco para o fim..eheheh

beijinhos

 
At 9:48 da manhã, Anonymous margarida pereira said...

Acho que os enfemeiros têm um papel fundamental na educação sexual das crianças nos centros de saúde e na saúde escolar...ainda há muito por fazer neste campo!
Obrigada pela partilha dos vídeos, que estão espectáculares!

 
At 12:08 da tarde, Anonymous Paulo Mestre said...

Este post está espectácular!
Para muitas pessoas, sobretudo educadores, a educação dos afectos deve ser posta de lado....mas pensemos se a pusermos de lado como explicar às crianças e jovens que toda a sexualidade do homem/mulher parte dos afectos?
Por acso não estão interligados?
Ou explicamos que é uma simples atracção física entre dois seres?
Está bem que os papéis do homem e da mulher se modificaram mas o amor não é o amor? a amizade não é a amizade?
Como explicar sexualidade sem sentimentos a acompanhar?
Reflectamos como pais, educadores, profissionais de educação ou de saúde! é urgente!!!!

 
At 12:11 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Gostei deste post! A sua autora, ao mesmo tempo que dá uma visão do que deve ser a educação sexual abre-nos o caminho para sugestões....tudo parece estar em aberto.....acho que assim se deve proceder, pois da "discussão nasce a luz", como dizia o poeta!

 
At 12:18 da tarde, Anonymous alguns ex-alunos said...

Oi Professora Rosa, tudo bem consigo?
Vejo que continua alertando e informando a blogosfera acerca dos temas que tem a ver com a pediatria e as crianças, em si,..........
é o bichinho, não é? .........
Beijinhos e abraços e continue sendo assim!
Alguns ex-alunos (6º CLE)

 
At 12:20 da tarde, Anonymous João candeias said...

Olá Rosa, não tens respondido aos e-mails, tens o teu correio cheio???
Aguardo notícias tuas...Bjinhos!

 
At 6:43 da tarde, Anonymous Filipe José Matos said...

Pelo menos metade da população portuguesa ouve falar em sexualidade e escandaliza-se, pois falar em sexo ainda é tabu......
Dizem que a actual geração é muito virada para essas coisas e que é uma pouca-vergonhice, ou seja, estas pessoas estão a falar de sexo, e não propriamente de sexualidade.
Sexualidade é muito mais profundo que o sexo ou que qualquer relação passageira! Sexualidade é a descoberta mutúa, faz parte do conhecimento de cada um...
Sexualidade tambem se relaciona com filosofia! Inclui aquelas perguntas muito próprias do "quem sou" e "o que quero"! E é também, sem dúvida, muito afectada pelas condicionantes sociais!
Existem sociedades que levam a sexualidade como um processo imoral que deve ser punida e reprimida!
Eu cá acho isso mal! Uma coisa é o sexo só por prazer, apenas como uma necessidade fisiológica (prostituição e mães-barrigas de aluguer), e é isto que as pessoas tomam como sexualidade...... é prático, simples e não chateia ninguém.
Outra coisa diferente é o auto conhecimento. sexualidade pode ser individual! não é cá preciso acompanhantes!
A sexualidade anda pelas ruas da amargura, relativamente ao conhecimento, sem margem para dúvidas!!!!!

 
At 6:49 da tarde, Anonymous Mariana Pinto said...

Nesta altura da vida. entre os 7 e os 11 anos, existe um aumento do interesse em geral pelas coisas que rodeiam a criança, o mesmo ocorrendo em relação ao interesse e actividade sexual. Vêr:

http://www.sexualidades.com/sections.php?op=viewarticle&artid=151

http://www.sexualidades.com/sections.php?op=viewarticle&artid=152

 
At 4:58 da tarde, Blogger Cristina Silva said...

Olá
venho agradecer a nomeação ao blog "Sobre(viver) a cesariana", não estava à espera e fico muito feliz por receber tão nobre distinção :)
Muito obrigada
Um abraço,
Cristina Silva

"Porque toda a mulher tem direito ás suas escolhas consecientes e informadas sempre e especialmente no acto de parir"

 
At 9:01 da tarde, Anonymous Anónimo said...

O planeamento familiar e a educação sexual ainda são dificultados aos jovens nos centros de saúde: ver
http://sexualidadefeminina.blogspot.com/2007/05/planeamento-familiar-negado-aos-jovens.html#comments
Nádia Comeirinhos

 
At 9:45 da tarde, Blogger brisa de palavras said...

Sempre artigos do máximo interesse, já fui expreitar alguns sites, dos que referiste...
um abraço
brisa de palavras

 
At 4:44 da tarde, Anonymous Anónimo said...

É a primeira vez que por aqui passo e gostei do que vi, tanto textualmente como graficamente1 Parabéns Criancices! Um óptimo fim-de-semana!
Enf.Rui

 
At 9:13 da tarde, Blogger Dreamaster said...

Estou de regresso a casa.

Dito isto, li q essa iniciativa da RTP foi contestada e q a audiencia do dito filme foi muito abaixo do q se esperava.
Penso q isto diz tudo da mentalidade e cultura de um povo que se quer entre os paises mais civilizados e desenvolvidos.


Bjs
D.

 
At 11:16 da tarde, Blogger António said...

Olá, Rosa!
Deveras interessante este teu post.
Estive a ver as duas partes do filme.
Mas antes do mais, é de relevar a postura da RTP2.
Serviço público a 100%, como de costume.
Sinceramente, na minha opinião de leigo na matéria, e nem sequer tendo neste momento filhos ou netos nessa faixa etárias do 7 aos 11 anos, só digo que o filme me parece muito equilibrado e digno de ser exibido nas escolas, talvez nas classes dos 10 ou 11 anos.
Penso que a educação sexual deve ser um complemento daquilo que se ensina (ou devia ensinar; no meu tempo ensinava-se) nas escolas sobre o corpo humano e a função sexual encarada de um ponto de vista científico como as funções digestivas, circulatória e as demais.
A questão dos afectos é muito mais complexa, penso eu.
Gostei muito do teu post e estive aqui talvez uma hora...ah ah ah.

Beijinhos

 
At 11:57 da tarde, Blogger Lia said...

É sem dúvida um excelente trabalho.
Educar é sempre uma tarefa complicada, e explicar-lhes a sexualidade, seja em que idade for, é sempre uma tarefa difícil.

Mas é como dizes, precisamos de uma educação de afectos...

Um beijo

 
At 4:58 da tarde, Blogger Sailing said...

Vim agradecer a visita ao Mar de Sonhos e encontrei um cantinho cheio de coisas certas, que nos levam a pensar e a debater.

Bjs e até já

Sailing

 
At 9:40 da tarde, Blogger o alquimista said...

Nasceu a luz sobre as cidades, agita-se a ilha no encontro com o dia, acorda a emoção, a suave brisa, amanhece o sonho que a vontade guia. A lonjura é a distância da viagem, a idade não cobre os rochedos, passam ventos de encantamento descobrindo mil e um segredos...


Bom domingo


Doce beijo

 
At 11:27 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Olá Vítor, obrigada pela visita e comentário. Bjinhos.

 
At 11:29 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Olá Joana,obrigada pelo teu comentário. Verdade que sexualidade continua sendo tabu, pelo menos em muitas cabeças!Um grande bjinho!

 
At 11:31 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

grilinha, pois realmente a educação dos afectos é necessária para abordar a sexualidade ....estão intimamente ligadas!Bjinhos!

 
At 11:31 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Fátima, obrigada pela achega em forma de texto. Volta sempre!

 
At 11:33 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

ana scorpio e ana, obrigada pelos vossos comentários que têm afinidades comuns com o que penso sobre o ensino da sexualidade em si relativamente às crianças e jovens. Bjinhos.

 
At 11:35 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Olá Margarida, olá Paulo ainda bem que adoraram o post. Gosto muito que vocês por cá apareçam e obrigada sempre pelos vossos comentários. Bjinhos!

 
At 11:38 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Olá Nana , aparece sempre por cá ...gosto das tuas intervenções!bjinhos!
Oi joão, já vi os e-mails e já respondi! bjinho!

 
At 11:38 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Anónimos Nádia e Enf Rui, obrigado pela vossa visita e comentários... Voltem sempre!

 
At 11:41 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Filipe Jóse Matos, concordo a 100%comsigo,o conhecimento é necessário para se falar de sexualidade!Volte sempre!

 
At 11:43 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Ex-alunos: espero que todos estejam empregados e que gostem muito de CUIDAR nesta hora díficil para a enfermagem!
Beijinhos e abraços para quem tem de direito!

 
At 11:44 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Olá mariana, obrigada pela achega!
Volte sempre!

 
At 11:45 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Olá Cristina, como dola e mulher que se importa com estas causas, acho que merece essa distinção. Volte sempre!

 
At 11:46 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Ola Brisa e D. Obrigada pelas vossas gentis palavras e bjinhos para vocês!

 
At 11:46 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Ola Brisa e D. Obrigada pelas vossas gentis palavras e bjinhos para vocês!

 
At 11:48 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

António e Lia, obrigada pelas vossas visitas e comentários relativamente ao texto. Os afectos são de afacto muito importantes e coomplexos, actualmente nesta sociedae que parece, cada vez, mais sem os mesmos!Bjinhos para vocês!

 
At 11:51 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Sailing, ainda bem que encontraste um cantinho que te agradou, fico contente. Também gosto do teu cantinho e espero que não te importes pelo facto de o ter anexado ao meu!
Volta sempre!Bjinhos!

 
At 11:52 da manhã, Blogger Rosa Silvestre said...

Alquimista, gosto também do teu cantinho e espero que não te importes pelo facto de o ter anexado ao meu!
Volta sempre!Doce semana!

 
At 12:09 da tarde, Blogger Lifepassenger said...

Após uma SEGUNDA nomeação pelo CRIANCICES, nomeio outros 5 Blogs!

Preparação Para o Parto
Enfermagem Grupos de Ajuda
Depois do Trauma
Saude infantil
Jardim da Alegria

Ver links para os blogs nomeados em:
http://enfermagemsu.blogspot.com/2007/06/blog-com-tomates.html#links

 

Enviar um comentário

<< Home